Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XII

15.8.18

Bibliofilia: "Cat Among the Pigeons" (1959)

[ 138 ] Agatha Christie, Cat Among the Pigeons (1959) Harper Collins, ed. 2014 (pp. 308). O prestigioso colégio e very british de Meadowbank vê-se envolvido numa conspiração internacional com início num país árabe fictício do Médio Oriente. A entrada em cena do famoso detective e fascinante personagem, Hercule Poirot, é estranhamente tardia: terceira parte do capítulo 17 (p. 217). Três mortes assolam o início do ano lectivo em Meadowbank, uma está acidentalmente relacionada com um caso de conspiração internacional, a segunda morte é motivada por chantagem e a terceira e última é um mero caso de inveja que condena de forma voluntária e natural à morte também a sua perpetradora. É uma inteligente jovem aluna que descobre parcialmente o mistério e que posteriormente recorre aos serviços de Poirot. Que como sempre tem uma enorme perspicácia na observação da fisionomia facial dos envolvidos e procura sempre confirmar que todos os envolvidos são efectivamente quem dizem ser.

Etiquetas:

4.7.18

Bibliofilia: "Third Girl" (1966)



[ 137 ] Agatha Christie , Third Girl (1966), Harper Collins, ed. 2015 (pp. 289). Um dos romances onde a fascinante personagem de Hercule Poirot (ou a autora por ele) se revela mais preconceituoso com a modernidade que gradualmente vem abalando os alicerces clássicos. Desde os cabelos compridos dos adolescentes, ao uso das calças pelas adolescentes. Há desde o início o prenúncio de uma morte que parece tardar e diferentes padrões que fazem todo o sentido e dificultam a investigação. Há uma apropriação de identidade para furto de herança, fazendo a herdeira julgar-se louca. Como sempre a resposta encontra-se no Passado. Interessante o preconceito de Poirot contra as modernas convenções sociais. Mas a personagem de Ariadne Oliver é muito mais irritante do que o saudoso e ingénuo Hastings, que tinha algo de underdog.

Etiquetas:

16.6.18

Momentum: "Carpe Diem " (1 323)


Jogo memorável na estreia da Seleção Nacional no Campeonato do Mundo da Rússia. Um Portugal vs. Espanha para não esquecer com empate a três. Hat-trick na estreia de Cristiano Ronaldo, o mais velho jogador de futebol a marcar um hat-trick aos trinta e três anos num Mundial. Igualando o segundo melhor marcador europeu de todas as selecções, o húngaro, Puskas, com 84 golos. Mas, numa análise mais racional, muita coisa a corrigir: muita ansiedade dos três jovens e promissores apoiantes da linha média, Bernardo Silva, Gonçalo Guedes e Bruno Carvalho, que tanta esperança oferecem e tanto prometeram no último jogo de preparação ainda no Estádio da Luz contra a ausente Argélia. Cédric Soares não chegou para as encomendas de Jordi Alba que parecia um Speedy González a passar por ele e a centrar recuado para aparecer alguém a rematar à entrada da área. Invariavelmente o ponta-de-lança brasileiro naturalizado espanhol, Diego Costa, ou o formidável playmaker Isco. O primeiro golo é precedido de falta de Diego Lopes (Sergipe) sobre o nosso naturalizado brasileiro Pepe (Maceió, Alagoas). Tradicional cotovelada na cara do adversário. Um clássico de Diego Costa. O árbitro italiano não quis estrear o VAR e na continuação da jogada o ponta-de-lança desfez uma fatia importante do Southampton 2016/2017, com José Fonte e Cédric Soares completamente aos papéis. Portugal muito bem em contra-ataque e uma nulidade em ataque organizado. O que levanta grande apreensão quando defrontar equipas teoricamente mais pequenas como Marrocos e o Irão de Carlos Queirós, no mesmo grupo. Mais uma vez, foi o melhor do mundo e mais dez. Cristiano Ronaldo pode estar a fazer o seu último Mundial — ontem fez a 151.° internacionalização —, esperemos que os toques que esteve a dar com o filho, Cristianinho, sozinhos no relvado da Luz, após o particular com a Argélia, tenha sido a passagem do testemunho, face ao talento já revelado pelo miúdo. Por que ele ontem marcou o golo do empate de livre directo depois de quarenta e cinco tentativas em fases finais.

Etiquetas:

2.6.18

Bibliofilia: "Taken at the Flood" (1948)

[ 136 ] Agatha Christie, Taken at the Flood (1948), Harper Collins, ed. 2015 (pp. 279). Três mortes, obviamente nenhuma por doença natural, mas nem todas premeditadas ou por homicídio. Há um suicídio, um acidente, que se desconfia de assassinato, e um homicídio. Por envenenamento, como não podia deixar de ser. Há, como habitualmente, quem se faz de quem não é. E é no passado que se encontra a solução. O que esta história tem de interessante em comparação com as restantes: todo o caso está invertido, quem tem o motivo não é suspeito, nem tem a oportunidade, e quem tem a oportunidade e é suspeito não tem o motivo. Não será bem assim, porque na verdade há motivos diferentes que colidem em suspeitos contrários. David Hunter sobrevive a um bombardeamento durante a Segunda Guerra Mundial juntamente com a sua irmã, Rosaleen Underhay, recém casada com o milionário Gordon Cloade, depois do seu primeiro marido, Robert Underhay, ter desaparecido em África, o que coloca em causa toda a dependência da restante família Cloade da sua ajuda familiar. Sem testamento, a herdeira legal será a actual Rosaleen Cloade, anterior Underhay. E, se por acaso, Robert Underhay não tivesse morrido? Isso inviabilizaria a herdeira. Hercule Poirot começa a investigar este interessante caso a partir do primeiro capítulo da segunda parte do livro (p. 149).

Etiquetas:

12.5.18

Cinefilia: "A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata de Guernsey" (2018)

[ 88 ] Uma escritora sem grande sucesso, Juliet Ashton (Lily James de, p. ex., Downton Abbey), com um terrível pseudónimo, começa a corresponder-se com um criador de porcos da Ilha de Guernsey, sobre a obra do escritor Charles Lamb (1775 -1834) depois de descobrir a morada da jovem escritora num exemplar. É através dessa correspondência que toma conhecimento da origem da "Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata", numa época, durante a Segunda Guerra Mundial, onde o recolher obrigatório imperava em Guernsey. A história é muito mais densa do que o título aparenta. E é na tentativa de obter o acordo dos membros da sociedade literária para escrever um artigo para o suplemento literário do jornal The Times que se lhe revela, alterando profundamente a sua vida. Comovente, com paisagens cinematográficas, um excelente elenco e óptimas interpretações, o realizador Mike Newell, de Four Weddings and a Funeral (1994), fez um bom trabalho neste The Guernsey Literary and Potatoe Peel Pie Society (2018) adaptado do livro com o mesmo nome.

Etiquetas:

6.5.18

Bibliofilia: "Death in the Clouds" (1935)

[ 135 ] Agatha Christie, Death in the Clouds (1935), Harper Collins, ed. 2015 (pp. 262). Durante um voo Paris - Croydon, uma mulher francesa, Marie Angélique Morisot ou simplesmente Madame Giselle, reconhecida agiota, é silenciosamente assassinada, obviamente com veneno. Veneno de cobra injectado através de um dardo lançado por uma zarabatana. Como é que alguém consegue usar uma zarabatana num espaço confinado, com a ausência de um momento de diversão, sem nenhum dos onze passageiros e dois comissários de bordo reparar ou notar nada de estranho? Porquê deixar a prova do crime — a zarabatana — à mercê da investigação quando existiam meios de a esconder? Ao esconder a zarabatana por debaixo do assento de Hercule Poirot, a questão tornou-se também pessoal para limpar a sua reputação. Que divide a investigação por dois caminhos: quem teve a oportunidade e quem tem o motivo? Depois é o costume, alguém diz que é quem não é e é bem lá no passado que se descobre a verdade. Hastings anda desaparecido da história, mas em sua representação existe o inspector Japp. Também começava a ficar estranho a existência apenas de uma morte em toda a trama, até à página 244. O que tem de muito bom os livros de Agatha Christie, nomeadamente com a personagem carismática de Hercule Poirot, além das boas histórias e ideias, é que dada a abundância de diálogos e as poucas descrições do tempo, da paisagem ou dos locais, permitem treinar facilmente e de forma prazenteira o Inglês.

Etiquetas:

25.4.18

Momentum: "Carpe Diem " (1 322)


Os nossos dicionários on-line são uma série de Matryoshkas. Vejamos, e.g., o que significa a palavra "cinematográfico"? O mesmo que "cinematografia" que é igual à "cinegrafia" que, por sua vez, é o mesmo que "cinematografia". Na última boneca, naquela mais pequenina, alcança-se "processo ou prática do cinematógrafo", que não deixa de ser o mesmo que "cinematografia".

Etiquetas:

15.4.18

Bibliofilia: "Sad Cypress" (1940)

[ 134 ] Agatha Christie, Sad Cypress (1940)Harper Collins, ed. 2015 (pp. 282). Mais um típico caso de envenenamento que envolve mais do que uma morte. Elinor Carlisle aguarda julgamento pela suspeita quase irrefutável de ter envenenado Mary Gerrard por ciúme ao ter originado o fim da sua relação amorosa com Roderick Welman. Dividido em três partes, Hercule Poirot surge apenas a partir da segunda (p. 115) quando o médico Dr. Peter Lord lhe pede com grande veemência ajuda. Quando as provas parecem incontestáveis, Poirot serve-se da importância da mentira nos testemunhos de todos os envolvidos que escuta e a quem extrai o máximo de informação. Quase todos eles, por uma ou outra razão, mentem. E há sempre um passado e alguém que não é quem aparenta ser. Só que há mentiras que por não fazerem sentido, não terem justificação, são as mais suspeitas. Há mentiras que são tão úteis como as verdades. E pensar em matar alguém não é assim tão diferente do ponto-de-vista psicológico como concretizar o acto. E Elinor Carlisle tinha contra si a oportunidade, as circunstâncias, mas faltava-lhe o motivo.

Etiquetas:

14.4.18

Cinefilia: "O Homem de Coração de Ferro" (2017)

[ 87 ] Filmes baseados em factos verídicos também são muito interessantes. Ainda que este tenha tido a ajuda do romance HHhH do escritor francês Laurent Binet. Reinhard Heydrich (Jason Clarke), que desde novo revelou a sua personalidade violenta, incentivado pela sua ambiciosa mulher Lina Heydrich (Rosamund Pike), ascende a Reichprotektor do protectorado da Boémia-Morávia, como braço direito de Heinrich Himmler (Les beaux esprits se rencontrent), e é um dos autores da Solução Final que previa o extermínio de todo o povo judeu nos territórios ocupados pelo Einsatzgruppen (SS). O Homem de Coração de Ferro / The Man with the Iron Heart (2017), realizado por Cédric Jimenez, é também a história da Operação Antropóide (1942) quando dois pára-quedistas checos, Jozef Gabčík (Jack Reynor) e Jan Kubis (Jack O'Connell), treinados na Escócia são largados na Checoslováquia, para assassinarem Heydrich. Após consumarem o atentado duma maneira atabalhoada — Heydrich morreria dos ferimentos, uma semana depois, por septicemia — e apesar de ter sido a única vez que conseguem eliminar de forma premeditada um oficial nazi de elevada patente durante a guerra, conferindo vulnerabilidade ao III Reich, este atentado acabaria por ter graves repercussões para a Resistência e população civil pela vingança encetada, representado em toda a violência que atravessa o filme.

Etiquetas:

13.4.18

Cinefilia: "O Jogo da Imitação" ( 2014)

[ 86 ] São sempre interessantes as biografias adoptadas ao cinema. A história do matemático inglês Alan Turing, brilhantemente interpretado por Benedict Cumberbatch, que desvendou o código secreto do alemães Enigma, criando uma máquina que estaria na origem dos computadores actuais depois de ter sido calibrada com a repetição de palavras e a quem ele deu o nome do seu colega de escola por quem se apaixonou com quinze anos (1927). Reza a História que a sua descoberta encurtou a guerra em dois anos e poupou catorze milhões de vidas à custa de outras que tiveram de ser sacrificadas para não revelar de imediato a descoberta. A história decorre essencialmente durante três períodos: quando ele é alvo de bullying na escola e desenvolve a relação especial com o colega com quem partilha o mesmo interesse pela criptografia; durante a II Guerra Mundial e depois do conflito, já nos anos cinquenta, quando uma investigação policial com origem na suspeita de que é um comunista acaba por descobrir que ele é homossexual, tendo sido condenado por isso e alvo de violentos tratamentos que o conduzem ao suicídio. É magnífico o diálogo inicial, aquando do convite, com o comandante Denniston (Charles Dance) que revela o quanto as pessoas demasiado inteligentes são incapazes de compreender coisas simples como a ironia, desprovidas de inteligência emocional. Inteligência emocional que lhe será dada por Joan Clarke (Keira Knightley) que, para alguns críticos, deveria de ter tido maiores dificuldades em afirmar-se numa época onde as mulheres não ocupavam lugares de destaque. The Imitation Game / O Jogo da Imitação (2014), do realizador Morten Tyldum, é um excelente filme, mesmo para quem não gosta de fazer palavras cruzadas.

Etiquetas:

12.4.18

Momentum: "Carpe Diem " (1 321)


É deveras extraordinário a rapidez com que uma instituição passa da defesa da gestão do talento e mérito para a defesa da necessidade de rejuvenescimento. E não, não é a questão dos centrais que a Selecção Nacional tem utilizado (Bruno Alves, José Fonte, Pepe ou Luís Neto) e pode eventualmente levar ao Mundial da Rússia.

Etiquetas:

8.4.18

Quantum Satis: Vícios privados, públicas virtudes (104)


Etiquetas:

27.3.18

Momentum: "Carpe Diem " (1 320)


Das coisas mais confrangedoras no jogo particular entre as selecções de Portugal e a Holanda, em Genebra, foi a alegria e a emoção dos emigrantes portugueses a perder por três a zero. Mesmo sendo um jogo amigável é de uma pequenez atroz. É pensar pequenino. Por muita vida de sacrifício que tenham, nada deve fazer perder a dignidade humana. Que é a de cada um.

Etiquetas:

25.2.18

Momentum: "Carpe Diem " (1 319)


Miúdo atrevido da Padaria Portuguesa ao servir uma fatia de tarte merengada de limão e depois de lhe ter sido pedido educadamente um garfo responde expedito e irónico: "claro, não ia comer isso com a mão". Logo por azar só encontrou colheres e perguntou se podia ser... Não pôde.

Etiquetas:

10.2.18

Cinefilia: "The Post — A Guerra Secreta" (2017)

[ 85 ] Tanto podia ser uma alegoria subtil aos actuais ataques de Donald Trump à imprensa, com remoques de liderança no feminino e cenas demasiado melodramáticas da muito teatral Meryl Streep, como uma crítica severa à fraca ausência de notícias sobre o escândalo da poluição no rio da Celtejo por parte do Correio da Manhã que tem como accionistas comuns à Cofina. Uma primeira parte muito sonolenta, onde se procura manter o status quo da relação com os poderosos e o lobby político, e uma segunda parte com um ritmo mais aceitável. Tom Hanks, na pele de editor mais ousado, é mais do mesmo. Forrest Gump (1994) parece ter-lhe ficado colado à pele para todo o sempre. E nota-se mais quando a trama volta à época do Vietname e à história norte-americana. The Post The Post — A Guerra Secreta (2017) não parece ser suficientemente épico para o realizador Steven Spielberg que conseguiu melhores desempenhos em filmes históricos como A Lista de Schindler (1993) ou biográficos como Lincoln (2012).

Etiquetas:

5.2.18

Momentum: "Carpe Diem " (1 318)


[ 12.° Aniversário ]

Num ano dominado pela crítica ao politicamente correcto e pelas questões de igualdade de género, é possível apostar que se leram mais threads do que livros, quando surge constantemente vocabulário novo como o btw. A espessura dos jornais reduz-se ao mesmo ritmo que aumenta a dos livros que quase ninguém lê. A turba continua a preferir uma boa história à José Rodrigues do Santos, Nicholas Sparks ou Ken Follett, do que o roman à clef ou o bildungsroman. A busca pela satisfação total, pela felicidade, e a necessidade da sua exibição é vital. Mostrar ao mundo as viagens, os passeios, as conquistas e a realização pessoal, quando o Banksy é que tem razão.

Etiquetas: ,

4.2.18

Quantum Satis: Vícios privados, públicas virtudes (103)

Etiquetas:

22.10.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 317)


Questionado sobre qual o estilo de liderança com que se identificava e tendo sido confrontado com um eixo desenhado com as palavras "amor" e "medo" nos extremos, Alex Ferguson escreveu bem a meio do eixo, na parte superior, a palavra "respeito". Porque, se o eixo representa o poder, ele sabe que Maquiavel é que encorajava os príncipes a serem temidos com a justificação de que o amor quebra-se mas o temor mantém-se. O verdadeiro carácter revela-se no exercício do poder e, em pleno séc. XXI, mais do que nunca se lidera pela influência.

Etiquetas:

21.10.17

Bibliofilia: "Oficiais e Cavalheiros" (1955)


[ 133 ] Evelyn Waugh, Oficiais e Cavalheiros (1955), Relógio D'Água Editores, Julho 2012 (pp. 150). O aristocrático Guy Croutchback, oficial britânico, dos fictícios Alabardeiros, personagem principal desta história da Segunda Guerra Mundial passada entre Creta e o Egipto, não deixa grande marca. A narrativa é confusa, e torna-se até errática, não deixando de ter o seu apontamento irónico no desembarque frustrado. Talvez tudo se possa justificar por ser um segundo livro duma trilogia onde em Portugal — vá-se lá perceber porquê — só foi publicado ainda este. Há uma sensação de se ter comido bem mas, ao mesmo tempo, ainda persiste a fome. Para gerar a empatia com tantas personagens, talvez fosse suficiente conhecer o seu background. Mas assim, com o comboio em andamento, perde-se muito da trama. Se é que há trama e não apenas crónicas de guerra.

Etiquetas:

20.10.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 316)


Infelizmente, já há incêndios florestais em Portugal há muitos anos. Demasiados. Já se suspeita de fogo posto, de origem criminosa, há muitos anos. Os eucaliptos estão há muitos anos identificados como causa de ignição. As alterações climáticas fazem-se sentir há muito tempo. Desde há demasiado tempo que há negligência na limpeza dos terrenos devolutos. A reforma florestal continua por fazer desde sempre. O ordenamento territorial jamais existiu. A maioria dos corpos de bombeiros sempre foi constituída por voluntários. Há dezenas e dezenas de anos que as pessoas abandonaram o interior para se fixar no litoral. Nunca houve tantos hectares de área ardida (500 ha) e com consequências tão trágicas em perda de vidas humanas (64 + 44) como em 2017. O que prova a falência do Estado. Mas ainda foram devolvidos cerca de 170 milhões de euros em IVA à restauração.

Etiquetas:

19.10.17

Bibliofilia: "A Hora da Estrela" (1977)


[ 132 ] Clarice Lispector, A Hora da Estrela (1977), Relógio D'Água Editores, Janeiro 2002, (pp. 93). A narração é do escritor Rodrigo S. M. que descreve a vida da jovem (19 anos) e nordestina Macabéa, dactilógrafa na firma do representante de roldanas, Raimundo Silveira. Pobre e feia descobre a dignidade no seu trabalho no Rio de Janeiro e encontra a fugaz felicidade em Olímpico de Jesus, do sertão do Paraíba, antes deste a trair com a sua colega Glória. Macabéa é tão infeliz que nem sabe o que é a infelicidade. Mas é quando consulta a cartomante Madame Carlota que descobre o seu destino. Forte, intenso, despudorado e perturbador, pode a longa introspecção do narrador Rodrigo S. M., cheio de dúvidas sobre o processo de escrita, ser um reflexo ou uma extensão da própria autora?

Etiquetas:

16.9.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 315)


Na tasca do Pombo uma marca colocou uma máquina de café digital para fugir à obrigatoriedade do contrato. Cada vez que carrega no botão, seja para tirar um café, encher mais um bocadinho, tirar um carioca ou até enganar-se, perde créditos. Resultado, houve uma tarde que nem tinha créditos, nem os clientes beberam café depois do almoço. Ao lado, o pequeno médio empresário Amadeu falhou no mesmo dia a compra de um imóvel para investimento ou arrendamento. Motivo? Não sabia que era preciso avisar os vendedores para estarem presentes no acto da escritura. Com as Fintechs tudo irá melhorar.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (222)


 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"Quem vive sabe, mesmo sem saber que sabe. Assim é que os senhores sabem mais do que imaginam e estão fingindo de sonsos." (p. 14)

José Saramago, Ensaio sobre a Lucidez (2004)

Etiquetas:

2.9.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 314)


Um erro obtuso e anacrónico aquele de considerar de uma forma genérica que as mulheres conduzem pior do que os homens, que até leva a discriminação positiva por algumas seguradoras as rotularem de mais cuidadosas. O que não oferece dúvidas, e tem vindo a intensificar-se nesta sociedade tão competitiva, é o espírito generoso e altruísta que as faz ceder passagem, ainda que não tenham prioridade.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (221)

 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"Quando uma mulher se torna a casar, é porque detestava o primeiro marido. Quando um homem se torna a casar, é porque adorava a primeira mulher. As mulheres experimentam a sua sorte, os homens arriscam a deles." (p. 222)

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray (1891)

Etiquetas:

29.8.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 313)


Houve partes, no sétimo e último episódio de Game of Thrones de ontem, que podiam ter sido evitadas de tão fraco conteúdo no diálogo. As bocas sobre o tamanho de pilas de Bronn a Tyrion — este último um personagem anão, o que logo à partida revela uma desvantagem, que não deverá excluir outras possibilidades assim de forma categórica (ou também aquela quebra emocional de Brienne à passagem de Jaime Lannister a mandar o juramento ou a lealdade às malvas). Escusado. Não acrescentou nada. Mas parece fazer jurisprudência, pois o mesmo tinha sucedido no episódio anterior entre os grandalhões Tormund e Clegane, The Hound. Comparam mal com a excelente cena da condenação à morte de Lorde Baelish "Mindinho" ou a transformação de uma vulnerabilidade numa enorme força de alguém literalmente sem tomates como Theon Greyjoy. No fundo há aqui uma mensagem subliminar que parece condenar a coragem ao tamanho dos pénis. À virilidade. E, se assim for, a série amadureceu bastante, uma vez que a temática não é nova. Que na oitava e última temporada se aborde o desempenho.

Etiquetas:

25.8.17

Bibliofilia: "O Retrato de Dorian Gray" (1891)


[ 131 ] Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray (1891), Relógio D'Água, ed. Abril 1998 (pp. 276). A devassidão transposta para um retrato que encarna a figura da sua representação. Dorian Gray, corrompido pelo cínico Lorde Henry Wotton, serve-se da sua profunda beleza para procurar o máximo do prazer na ausência de ser feliz. Basil Hallward vai ser vítima da sua criatura e Sybil Vane a representação ingénua de um amor manipulado e traído. Interessante seria conhecer o conteúdo do bilhete que chantageia Alan Campbell. Alguma fixação com os meses de Maio e Novembro, o décimo dia deste último é o dia de aniversário da personagem principal. Não deixa de ser uma magistral obra alegórica sobre o carácter, o hedonismo e a virtude. Ou das consequências de quando o prazer se sobrepõe aos valores.

Etiquetas:

16.8.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 312)


Na TV passava a notícia de que quem trabalha oito horas por dia está mais sujeito a enfartes do miocárdio, o trabalhador que bebia um copo de vinho branco ao balcão da taberna, às oito e um quarto da manhã, disse logo que era o caso dele.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (220)

 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"(...) O incompreensível pode ser desprezado, mas nunca o será se houver maneira de o usarem como pretexto." ( p. 256)

José Saramago, Ensaio sobre a Lucidez (2004)

Etiquetas:

14.8.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 311)


Aquilo que fazia de Game of Thrones uma das série mais interessantes que era a velocidade com que matava personagens, várias delas com desempenho principal, o memento mori que emprestava realidade a uma série de TV de ficção fantástica, está a tornar-se precisamente no seu inverso à medida que são recuperadas e se parece preparar um Grand Finale num jantar à noite com o bardo a tocar.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (219)

 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"Aprendi neste ofício que os que mandam não só não se detêm diante do que chamamos absurdos, como se servem deles para entorpecer as consciências e aniquilar a razão." (p. 289)

José Saramago, Ensaio sobre a Lucidez (2004)

Etiquetas:

13.8.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 310)


Havia algo inexplicável que fazia de Todos os Nomes (1997) o preferido, não poderia ser justificado por ser a primeira descoberta, "O Caminho Marítimo para a Índia", da obra de Saramago, quando finalmente, não menos do que numa epifânia, ficou perceptível, fez-se luz, muito tempo depois, que era a forma como o autor abordou a solidão naquela prosa corrida.

Etiquetas:

Bibliofilia: "Ensaio sobre a Lucidez" (2004)


[ 130 ]
José Saramago, Ensaio sobre a Lucidez (2004), Editorial Caminho, Março 2004 (pp. 329). Sátira à autoridade governamental e ao poder estabelecido, metáfora da polícia política e da censura, numa cidade capital oitenta e três por cento dos eleitores votam em branco provocando a retaliação do governo, sob a forma de estado de sítio, que apelida esta "insurgência" de cegueira branca. Aos poucos, algumas autoridades vão ganhando consciência como o presidente da câmara, que prematuramente e sem explicação desaparece da trama, ou o malogrado comissário da polícia. A repetição do mote da cegueira branca conduz o autor a fazer a ponte com a anterior obra a partir da p. 188, e ele não o esconde. A ironia dos diálogos dos Conselhos de Ministros só rivaliza com o desprezo do autor pela autoridade não lhe permitir revelar também a ambição dos subordinados.

Etiquetas:

29.7.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 309)


O moscardo no parapeito era enorme, a "stickada" — com aquele jeito de meio estalar dos dedos, tipo alavanca, entre o polegar e o anelar — que levou, fez a mosca desabar em queda livre do décimo primeiro até para aí ao quinto andar (talvez nem tanto), onde recuperou e estabilizou o voo. Agora é fazer o que quiserem com esta informação preciosa.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (218)

 

Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"Vivemos numa época que lê demasiado e perde sabedoria, e que pensa demasiado e perde beleza." (p. 137)

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray (1891)

Etiquetas:

23.7.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 308)


As pessoas queixam-se que é caríssimo alugar um quarto em Lisboa e também é impossível ter um lar no centro da cidade, mas esquecem-se que também há quem gostasse de partilhar um quarto com a Monica Bellucci e não consegue.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (217)

 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"Os jovens querem ser fiéis e não são, os velhos querem ser infiéis, e não podem." (p. 50)

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray (1891)

Etiquetas:

22.7.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 307)


Teresa Leal Coelho revela a insegurança de uma segunda escolha, ou de uma candidata autárquica de recurso, ou ainda de alguém que, contrariada, deve lealdade ao líder. Ao confundir o nome da primeira escolha com o do líder e ter resolvido fazer uma piada para ultrapassar a gaffe, revelou a sua manifesta falta de jeito e pouco talento para o humor, quando o mais genuíno, autêntico e natural, seria um subtil pedido de desculpa pelo lapso e avançasse. As televisões sempre ávidas do supérfluo, fútil e vácuo, ampliaram o engano. O nervosismo de falar em público não pode ser atenuante numa parlamentar habituada ao hemiciclo, a comissões de inquérito e com presença assídua nas televisões. Nem pode ceder à pressão de uma importante candidatura alguém que ocupa o lugar de vice-presidente do partido. Só a insegurança de uma segunda escolha justifica o comportamento pouco à vontade. E vai ser difícil disfarçá-lo, sobretudo quando o principal adversário na corrida eleitoral abusa estrategicamente da condescendência para com ela.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (216)

 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"O crédito é o capital de um filho mais novo, e vive-se muito bem com ele." (p. 53)

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray (1891)

Etiquetas:

21.7.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 306)


Três actuais flagelos com consequências catastróficas podem conduzir ao fim precoce da humanidade tal como a conhecemos ao terem uma influência tão grande e corriqueira na capacidade de moldar o carácter humano. São eles o sectarismo ou proselitismo, o engraçadismo e a gananciosa competição.

Etiquetas:

Ipsis dixit: «Pro captu lectoris habent sua fata libelli»* (215)

 

*«Os livros têm o seu destino de acordo com o poder de compreensão do leitor»
Terentianus Maurus (séc II/III d.C.)

"A vantagem das emoções é que nos desorientam, e a vantagem da ciência é não ser emocional." (p. 63)

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray (1891)

Etiquetas:

17.6.17

Momentum: "Carpe Diem " (1 305)

 

Havia qualquer coisa de mulher nele, escolhia as rebeldes em vez das atinadas. Todos sabem que as mulheres escolhem os venturosos em detrimento dos sossegadinhos. Tantas vezes humilhado, ultrapassaria tanto ressentimento acumulado?

Etiquetas:

15.6.17

Bibliofilia: "Cenas da Vida Menor" (2017)


[
 129 ] Filipe Nunes Vicente, Cenas da Vida Menor — Histórias da Violência Sobre Mulheres, Chiado Editora, 1.ª ed. Maio 2017 (pp. 131). O autor chama-lhe quatro cenas, são quatro capítulos ou quatro histórias. Sobre Eduarda, Fernanda, Berta e Janete. Cada história com uma média de 25 páginas que se prolongam para o dobro na última pela incursão na vida dos caciques locais de província, cheia de tratamento de favor e boa intriga. Despudorado, acompanha histórias de ressentimento, mágoa e ciúme de vidas que não foram fáceis. Árduas vidas, que tornam homens rústicos e mulheres aventureiras. Onde o sentimento de posse vai muito para além do material. Em "meios pequenos", abandonados pelas metrópoles sofisticadas, onde se prova que o homem não é puro nem moralmente irrepreensível. Merecia melhor trabalho de revisor.

Etiquetas:

27.5.17

Momentum: "Carpe diem" (1 304)

 

É muito mais interessante alguém que já leu cem livros do que um grunho que se passeia de BMW, vangloria-se de ser quadro superior duma empresa, munido de iPhone7, enquanto se gaba de passar férias nas Maldivas, mas não faz a mínima ideia de como combinar o sujeito, predicado e complemento directo. Ou seja, um Trump ou um chimpanzé. Recentemente, esteve em Portugal a doutorada em Etologia de Cambrigde, Jane Goodall, que descobriu que esta espécie também constrói ferramentas (ou gadgets) — ao observar um dos animais a remover as folhas de um ramo de árvore para melhor penetrar num buraco de térmitas — e, tal como os humanos, fará tudo para planear a eliminação de um rival.

Etiquetas:

14.5.17

Quantum Satis: Vícios privados, públicas virtudes (102)

Etiquetas:

13.5.17

Momentum: "Carpe diem" (1 303)

 

Um dia que significa muito para muitos Portugueses, 13 de Maio, desencadeou uma tempestade perfeita de emoção, crença, felicidade, comoção, optimismo, sucesso e excelência. O Papa Francisco veio às celebrações do centenário das Aparições de Fátima de manhã, à tarde o Benfica conquista o seu primeiro tetra e à noite o português Salvador Sobral vence, com pontuação recorde de 758 pontos, o Festival da Eurovisão da Canção, sendo o único a cantar na língua materna entre vinte seis concorrentes (entre os quais a Austrália), depois de quarenta e nove presenças falhadas ou sofridas. Inesquecível. Inexplicável. Arrebatador.

Etiquetas:

25.4.17

Bibliofilia: "Novela de Xadrez" (1942)


[ 128 ] Stefan Zweig, Novela de Xadrez (1942), Livros do Brasil / Porto Editora, 1.ª ed. Março 2017 (pp. 100). No prólogo há alusão a esta obra como a derradeira antes do suicidio do autor. E um elogio em carta ao Brasil que o acolheu. Durante uma viagem de barco de Nova Iorque para Buenos Aires, alguns passageiros descobrem a bordo o campeão do mundo de xadrez, outrora um simples e limitado filho de barqueiro na Eslávia do Sul, Mirko Czentovic, e o ambicioso self-made man e engenheiro civil McConnor desafia de imediato o narrador a defrontá-lo. Quando a narrativa se parece encaminhar para a vida do profissional campesino e as técnicas do jogo, surge a personagem que moldará a história. Dr. B. relata como a tragédia do regime nazi e o acaso o conduziu a encontrar a sobrevivência nesse jogo de demorada concentração mental. Ideal para quem mastiga o tempo.

Etiquetas:

24.4.17

Momentum: "Carpe diem" (1 302)


O dérbi Sporting vs Benfica do último sábado era a grande oportunidade de vingança para Bruno de Carvalho, Jorge Jesus e "brunetes". O presidente emérito tinha feito tudo bem: incendiado as redes sociais; o treinador tinha preparado o jogo como nunca, o próprio jogo sem pressão era de feição para o lado de Alvalade, pois não havia nada a disputar senão enfiar mais uma facada para a História no rival. O acontecimento trágico, lamentável e abjecto da morte de um adepto leonino italiano da Fiorentina na madrugada da véspera nas imediações do Estádio da Luz faria o resto. Só não contaram com a reacção de Ederson e do árbitro. O guarda-redes do Benfica, aos quatro minutos, alivia mal uma bola para os pés de Bas Dost que obriga a jovem promessa brasileira a cometer pénalti. O árbitro que tão prontamente, e bem, assinalou um pénalti aos quatro minutos nunca mais viu os restantes três não assinalados a favor do Benfica. Desorientados, a verem-se a ganhar tão cedo e a ser beneficiados pela arbitragem, o jogo terminou empatado a um. Um também foi o número de remates enquadrados à baliza do ex-SCP de nota artística e oitenta e seis pontos. Morreu a narrativa. Genial como se usa a incompetência para alastrá-la ao adversário, derrotando-o. E retirando-lhe todos os argumentos. Foi um empate demolidor para o Sporting.

Etiquetas:

23.4.17

Cinefilia: "A Queda de Wall Street" (2015)

[ 84 ] A distância do tempo torna sempre mais lúcida a análise. Em três histórias separadas, que correm em paralelo, dois grupos e um gestor de hedge funds vão descobrir como o mercado anterior à queda dos bancos de investimento Bear Sterns e do Lehman Brothers estava pura e simplesmente viciado. Para isso limitam-se a fazer o mais simples: abrir a caixa de pandora e ver o que está lá dentro. As famosas Collateralized Debt Obligations (CDO) que agrupavam hipotecas com diferentes ratings falseados e vendidas a granel não valiam o que era suposto quando o seu composto (mercado imobiliário) começou a cair e as strippers de rendimento precário, que tinham cinco imóveis e dez hipotecas, não as conseguiram pagar com o valor de avaliação a descer e as taxas de juro a subir. Estes investidores perceberam o mercado e apostaram contra ele (short selling) através da criação de um instrumento derivado que na altura nem sequer ainda não existia, tal a confiança nas obrigações hipotecárias. Mas o problema é que se demorassem muito o próprio mercado contra o qual apostaram estava a desintegrar-se e não se reavê nada de zero. The Big Short / A Queda de Wall Street (2015), realizado por Adam McKay, é mais um documentário do que uma ficção da realidade, baseado numa história verídica, apesar de contar com excelentes interpretações de Christian Bale (Michael Berry) e Steve Carell (Mark Baum) A distância do tempo torna tudo mais lúcido, e em 2015, ano do filme, começaram a transacionar-se de novo CDO.

Etiquetas:

22.4.17

Cinefilia: "Os Oito Odiados" (2015)

[ 83 ] A acção decorre no Wyoming numa casa a que é difícil chamar de retrosaria, para o conceito português, e que mais se parece com uma estação de paragem de diligências, durante uma forte tempestade. Oito homens (e uma mulher), que podem vir a ser nove, ficam confinados àquele espaço que, por ser amplo, nunca se torna claustrofóbico, apesar da tensão existente e crescente entre os membros do grupo. Dividido em seis partes a que chama capítulos, em grande parte dos quatro primeiros não há a característica violência repleta de sangue dos filmes de Tarantino, mas no últimos isso é compensado com sangue e vómito. Muito vómito. Grande parte do filme é passado em diálogo entre as diferentes personagens para saber quem diz ser quem ao melhor estilo das reuniões finais de Hercule Poirot para desvendar o(s) criminoso(s) (pasme-se!) que envenenaram (muito Agatha Christie, em ano de celebração). O ritual, que todos conhecem e reclamam, de fechar a porta da cabana, pregando duas tábuas, funciona como palavra-passe para entrar naquele submundo. The Hateful EightOs Oito Odiados (2015) é muito Quentin Tarantino, abusando do inesperado, da excessiva violência graficamente exposta e sobre a mentira, tudo com o habitual excelente elenco. O que não é necessariamente mau.

Etiquetas: