Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

25.2.06

Quem dá mais...

Depois da OPA da Gas Natural sobre a Endesa (maior eléctrica espanhola), no valor de 22,4 mil milhões de euros, eis que a E.ON Ruhrgas, maior energética germânica, oferece numa OPA concorrente 29,1 mil milhões de euros integralmente em dinheiro (!). Mais 29,91% do que a Gas Natural... A diferença entre as ofertas é equivalente a 70% do valor da EDP.

Na OPA lançada em Setembro de 2005 a Gas Natural ofereceu 7,34 euros em dinheiro mais 0,569 em acções da «nova» Gas Natural por cada título da Endesa o que, aos preços de hoje, dá um valor de cerca de 22,35 euros por acção.

Estratégicamente a OPA da E.ON é ainda mais atractiva, porque permite anular a dependência espanhola do mercado argelino, uma vez que a E.ON aprovisiona-se do gás russo.

Apesar de tratar-se de uma operação à escala europeia e, como consequência, escapar, no âmbito da concorrência, à decisão do Executivo espanhol, este já reagiu: (1) aumentando os poderes do orgão regulador e (2) alterando a legislação sobre os hidrocarbonetos e a electricidade, com o objectivo de eliminar a diferença entre os custos de produção de energia e os preços para os consumidores - situação que tem prejudicado os distribuidores e beneficiado os produtores - o que conduzirá à menor atractividade da Endesa com um preço real inferior à oferta agora lançada.

Dizia José Luiz Zapatero que a OPA da Gas Natural tinha um carácter estritamente empresarial entre accionistas privados...