Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

2.4.06

"Fahrenheit 451"


"Escrever, em título, o nome de Margarida Rebelo Pinto, é motivo suficiente para a sua editora avançar com uma providência cautelar na tentativa de impedir a publicação da obra. Assim fará se considerar que alguém se está a aproveitar do nome da escritora. Pelo menos, foi este o argumento utilizado para tentar justificar o injustificável: que não deve chegar às livrarias o Couves & Alforrecas, os segredos da escrita de Margarida Rebelo Pinto. Da autoria de João Pedro George, professor da Nova, o livro amaldiçoado nasceu num blogue em que se assinalavam, nomeadamente, repetições em diferentes obras de Rebelo Pinto. George acha que fez 'uma crítica literária ao estilo da escritora que tem o hábito de se repetir'. Rebelo Pinto e o editor dizem que não os move o desejo de censura, tanto mais que já houve 'críticas mais interessantes e mais respeitosas'. Finalmente ficamos a saber que uma e outro só querem vender livros interessantes e respeitosos."

in "Expresso", João Garcia, 01Abr2006

"Colunista num país 'light'. Um crítico literário com paciência e muito tempo livre deu-se ao trabalho de ler todas as obras de Margarida Rebelo Pinto e escreveu um livro acusando-a de se plagiar a si própria. A 'escritora', com pouco que fazer, pediu uma providência cautelar para impedir a publicação do livro. E eu, que podia estar mais ocupado, escrevo sobre isto."

in "Expresso", Daniel Oliveira, 01Abr2006