Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

27.4.06

Mercados Emergentes


(Le Moulin de la Galette, Pierre-Auguste Renoir, 1876)

"(...) Os países em desenvolvimento (também conhecidos como emergentes) vivem um período de inédita solidez dos seus fundamentos e previsibilidade económica. Pelos seguintes motivos: [1] Em vez de saldos negativos, os países em desenvolvimento registam hoje um grande superávit nas contas externas. De um défice de 115 mil milhões de dólares em 1998, têm agora um excendente de divisas que poderá alcançar 500 mil milhões de dólares este ano. [2] De devedores, esses países passaram a ser credores em dólares. Hoje, não são os pobres que devem aos ricos; são os desenvolvidos, principalmente os Estados Unidos, que devem aos países emergentes. [3] Esses países, de uma maneira geral, abandonaram as políticas populistas e executam com muito mais seriedade as suas políticas económicas, trazendo estabilidade e confiança aos investidores. [4] Os países emergentes estão a tirar proveito do crescimento do comércio mundial, ampliando as suas exportações e economizando dólares. [5] Essas economias são hoje bastante mais transparentes, abertas e diversificadas do que eram no passado, o que as deixa menos sujeitas a choques externos."

in "Prémio", Giuliano Guandalini, 21Abr2006