Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

20.5.06

Jogos de interpretação de papéis


(On the Terrace, Pierre-Auguste Renoir, 1879)

Role Playing Game (RPG) é a combinação do teatro, onde os actores recebem um guião (script) com a totalidade das suas falas e acções do personagem que interpretam, e a estratégia onde, por outro lado, nunca se sabe qual será o movimento dos adversários e é necessário para vencer, ultrapassar os desafios impostos por estes, seguindo as mesmas regras do jogo ou do sistema.

Contrariamente a um jogo de estratégia, não se luta contra um adversário definido, mas vivem-se aventuras num mundo imaginário. Não se segue um guião como no teatro, porque age-se com autonomia, liberdade de acção. Um grupo de RPG pode ter de duas até dez pessoas, embora a média seja de 4 a 6 jogadores. Existem dois tipos básicos de jogadores muito bem definidos: (1) o jogador personagem, que cria a personagem seguindo as regras do jogo em questão e que controlará esse mesmo personagem pelas aventuras; (2) o mestre ou narrador, que cria a história e julgará as acções de todos os personagens do jogo. O mestre não possui um personagem, mas controla todos os personagens não-jogadores da aventura. Este seria o director do teatro, aquele quem define o cenário, figurantes, ambiente e tudo o resto. Por isso, deve ser a pessoa mais experiente e conhecedor das regras de todo o grupo.

Cada sessão de RPG é uma aventura e uma sucessão de aventuras é uma campanha. Cada jogador cria o seu personagem baseado no mundo que o mestre determinou e juntos passarão por desafios e aventuras. No fim de cada aventura, o personagem-jogador recebe pontos de experiência. Estes pontos podem tornar o personagem mais forte, dando mais vantagens e habilidades. Por isso mesmo, os mesmos personagens de uma aventura/jogo são usados noutras, continuando assim as suas histórias como sequelas. Nessas campanhas, os personagens mantém tudo aquilo que conseguiram nas jornadas anteriores, tornando-se mais fortes e experientes e com uma história mais complexa.

Existem muitos tipos diferentes de RPGs e cada um possui as suas próprias regras. De uma forma geral, quando um jogador decide fazer alguma coisa, o mestre decide o resultado. Quando é uma acção complicada (por exemplo, pular a grande distância ou fazer uma acrobacia), o mestre pode exigir um teste que é feito com o lançamento de dados, representando estes o factor aleatório existente, isto é, a hipótese da personagem conseguir ou não realizar a tarefa pretendida. Cada sistema possui as suas próprias regras para definir o sucesso ou fracasso de cada uma das acções, calculando a probabilidade do resultado ser ou não favorável.

Como o mestre é o narrador, tudo dentro do jogo acontece de acordo com sua narração. Se ele quiser, pode fazer com que todos os personagens morram ou sejam presos num instante, basta apenas ele narrar esse acontecimento. Na verdade, o mestre cumpre um papel de árbitro e não de adversário. Ele não joga "contra" os jogadores, ele cria uma história na qual os personagens desses jogadores podem-se desenvolver. Ele também não joga "a favor", porque precisa sempre ser imparcial. Apesar dele propor os desafios e representar todos os inimigos do jogo, ele não faz isso com o objectivo de derrotar os jogadores, mas sim de zelar pelo bom ambiente da partida. Como o objectivo do jogo é a diversão, ele em determinadas alturas pode favorecer um ou mais jogadores, ou mesmo penalizar outros, para que o jogo fique equilibrado e divertido para todos.

Os jogadores não disputam entre si, mas, como na maioria dos jogos fazem parte de um grupo que devem agir em conjunto para conseguir enfrentar os desafios que o mestre/narrador oferece. Pode haver alguma disputa entre jogadores para ver qual o mais dotado, mais habilidoso, mas devem agir em conjunto, senão a vitória na aventura é algo impossível de conseguir.

As excepções à regra existem quando em determinados sistemas, ou se o jogadores o desejarem, o mestre pode criar aventuras nas quais os jogadores disputam entre sí pelos mais variados motivos. Por exemplo, cada jogador pode ser um mercenário contratado para resgatar uma pessoa, ou então exploradores de um tesouro que todos querem. É possível uma infinidade de temas. Mas de uma forma geral, a maioria esmagadora dos jogos exigem cooperação entre todos.

No fundo todos os jogadores de RPG ganham o jogo. O objectivo de cada aventura é superar os desafios, e quando os jogadores alcançam isso, ganham pontos de experiência e histórias na vida do seu personagem. É esse o prémio pela "vitória" numa sessão. Todos os jogadores que conseguem passar pela aventura são considerados vencedores.