Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

21.2.07

Thomas Mann (1875 - 1955)

(Strawberries, Pierre-Auguste Renoir, 1905)

Romancista alemão, homossexual reprimido pelo contexto social da época, prémio Nobel da Literatura em 1929 com a autoria do seu mais famoso romance “Os Buddenbrooks” (1901), inspirado na história da sua própria família. Apoiou a entrada da Alemanha na I Guerra Mundial e a política do então Kaiser Guilherme II, em oposição ao seu irmão. Viria a abandonar a Alemanha nazi refugiando-se na Suiça, em 1933, ano da ascensão de Hitler ao poder. Perderia a nacionalidade alemã, em 1936, e iria para os Estados Unidos, em 1938, onde viria a obter a cidadania norte-americana, em 1944. Regressaria à Suiça, em 1952, revoltado contra a política de perseguição do MacCarthismo, onde viria a morrer, em 1955. Entre as suas obras, além da já citada, contam-se: “Tonio Kröger” (1903), “Morte em Veneza” (1912), “A Montanha Mágica” (1924), onde faz o retrato da Europa no eclodir da I Guerra Mundial, “As Confissões de Félix Krull Cavalheiro da Indústria”(1922 - 1954), “As Cabeças Trocadas” (1940) e “Doutor Fausto” (1947).