Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

24.3.07

Movimentos transnacionais

(The Meadow, Pierre-Auguste Renoir, 1873)

Em Setembro de 2005, a empresa energética espanhola Gás Natural lançou uma OPA, no valor de 22,4 mil milhões de euros, sobre a Endesa, maior empresa eléctrica espanhola. Em Fevereiro de 2006, a E.ON, maior empresa eléctrica germânica, ofereceu 29,1 mil milhões de euros numa OPA concorrente. Como consequência, a Gás Natural retirou a sua oferta, porque não tinha “músculo” financeiro suficiente para combater uma OPA concorrente 29,91% superior à que havia lançado. Ontem, a principal empresa eléctrica italiana, a Enel, que controla 24,9% da Endesa, e o conglomerado das obras públicas e construção civil espanhol Acciona, que controla 21,03% da Endesa, lançaram uma OPA concorrente à da E.ON. A OPA da Gás Natural oferecia uma contrapartida de 22,35 euros por acção, a OPA da E.ON oferece uma contrapartida de 38,75 euros e, agora, a OPA conjunta dos actuais accionistas da Endesa, Enel/Acciona, oferece uma contrapartida de 40 a 42 euros. A chanceler alemã Angela Merkel reuniu-se recentemente com o primeiro-ministro italiano Romano Prodi (antecessor de Durão Barroso na Comissão Europeia) para abordar este negócio, provocando grande sobressalto ao Governo espanhol. Três OPA's em ano e meio...