Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

3.5.07

Bibliofilia: "Cosmópolis"

(O Fado, José Malhoa, 1910)

Enquanto atravessava Manhattan de limousine, o multimilionário Eric Michael Packer apostou tudo, centenas de milhares de milhões de dólares, na descida do iene, ao contrair avultados empréstimos nessa moeda, quando este não parava de subir, contrariando todas as recomendações do seu brilhante analista de mercados cambiais de vinte e dois anos, Michael Chin. Fez sexo com a sua amante e investigadora de arte, Didi Fancher. Reuniu com a sua directora financeira, Jane Melman, quando lhe interrompeu o jogging. Foi consultado pelo colega do seu médico pessoal, Dr. Ingram, que lhe diagnosticou o mesmo de sempre: uma próstata assimétrica. Reuniu com a sua chefe da equipa de teóricos, Vija Kinski. Matou o seu chefe de segurança, Torval, com a arma deste. Fez sexo com uma das guarda-costas, Kendra Hays. Foi emboscado pelo "fulano", André Petrescu, que atacava altas individualidades com tartes de massa folhada. Abandonou a sua recente mulher, Elise Shifrin, herdeira duma colossal fortuna. Foi ao seu barbeiro de sempre, Anthony, com o seu motorista de olho esquerdo aleijado, Ibrahim Hamadou. Perdeu tudo, antecipou a sua própria morte e foi assassinado por Richard Sheets ou Benno Levin, seu ex-analista cambial do baht. Tudo isto é “Cosmópolis”, Don DeLillo, Relógio D’Água, ed. Novembro 2003, 215 pp., 12,50 euros. Sexta leitura de 2007.

Etiquetas: