Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

8.2.09

Bibliofilia: "As Cidades Invisíveis"

Diálogo imaginário entre, talvez o maior viajante de todos os tempos, Marco Polo e o imperador dos tártaros Kublai Khan que não consegue conhecer todo o seu vasto império. Marco Polo descreve-lhe 55 cidades por onde teria passado. São cidades imaginárias, todas com nomes de mulher. A descrição de muitas sociedades que termina assim: “O inferno dos vivos não é uma coisa que virá a existir; se houver um, é o que já está aqui, o inferno que habitamos todos os dias, que nós formamos ao estarmos juntos. Há dois modos para não o sofrermos. O primeiro torna-se fácil para muita gente: aceitar o inferno e fazer parte dele a ponto de já não o vermos. O segundo é arriscado e exige uma atenção e uma aprendizagem contínuas: tentar e saber reconhecer, no meio do inferno, quem e o que não é inferno, e fazê-lo viver, e dar-lhe lugar (p. 166).” As Cidades Invisíveis, Italo Calvino, Editorial Teorema, 10.ª edição (Janeiro 2006), pp. 166, 13,23 €. Terceira leitura de 2009.

Etiquetas: