Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

4.12.09

Momentum: "Carpe diem" (168)


Que emoção, que alegria, esta semana foi ultrapassado o limite da energia de um teraelectrão-volt (1 TeV) por partícula para cada feixe de protões que circulam, em sentido contrários. Por falar em sentidos contrários, hoje fui admoestado em trinta euros, o equivalente a uma bilionésima parte do teraelectrão em moeda única, por estacionamento indevido naquilo que vulgarmente apelidamos de “zebras”, quando cerca de quinze quilómetros avante um senhor a conduzir, com a mão direita, e a falar ao telemóvel, com a mão que sobrava, entrou numa rotunda sem ceder prioridade, contornou-a sempre na via mais à direita e seguiu incólume e imperturbado. Creio que existia no léxico jurídico uma expressão que defendia que quem proibia o mínimo, proibia o máximo. Quem permitia o máximo, permitiria também o mínimo. A zebra sou eu.

Etiquetas: