Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

22.4.10

Momentum: "Carpe diem" (263)


Parece que se o yuan se valorizar, como pretendem veementemente os norte-americanos para relançar a competitividade das exportações em dólares e combater o défice da balança comercial, provocará a perda de mais empregos nos Estados Unidos, porque a maioria dos fabricantes norte-americanos importa componentes made in China. China que é o maior credor dos Estados Unidos com uma considerável fatia de Obrigações do Tesouro / Treasurie Bonds. É a quadratura do círculo? Qual o trade off (para os economistas)? Tibete pela valorização do yuan? Taiwan pela manutenção da actual taxa de câmbio do yuan? Quid pro quo (para os juristas)?

Etiquetas: