Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

25.4.10

Momentum: "Carpe diem" (264)


Marcel Proust, lui-même, “reverberava o mínimo” e pensando nisso, lembro-me como na minha infância ficava aborrecido e apreciava coisas simples como os recantos da casa ou os tacos de madeira do soalho. Sim apreciava e conhecia, como ninguém, cada uma das partes daquela casa. Hoje a vertigem do Facebook, Twitter, Hi5, Playstation, Nintendo e outros nada permite. O tempo não passa por nós, porque somos nós que voamos pelo tempo. “Compreensão diferente daquela de que são capazes os homens ‘ocupados’ – por muito idiota que seja a sua actividade –, homens que se auto-comprazem por não terem tempo para fazer ‘o que nós fazemos’, isto é, [por exemplo,] ler a notícia de um jornal com se fosse a ponta de um romance.” Da “apologia”, ou elogio, de quem “reverbera o mínimo”.

Etiquetas: