Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

15.1.11

Bibliofilia: "Nada de Melancolia" ( 2008)

Pedro Mexia, Nada de Melancolia, Tinta-da-China, 1.ª Ed. Dezembro 2008 (pp. 220). Ao contrário da última vez, mas sendo esta obra predecessora, fala-se muito pouco da vida dos outros e muito mais da vida do próprio. Obra mais introspectiva, quer seja na confissão de nunca ter enviado um telegrama, mas não deixando de sentir nostalgia aquando do prenúncio da sua extinção, quer seja pela decadência do Café Império ou do desaparecimento do salão de jogos Monumental. Sendo pouco mais velho que Pedro Mexia, sinto sempre uma grande identificação com os seus temas. Também eu admirei Custer, tanto que nunca esqueci a sua imortalização no cinema por Errol Flynn, e deixei-me fascinar por Erwin Rommel. Também eu sofri em exames orais, sinto a dolorosa falta do vício da cafeína, bebo bebida alcoólicas mais para socializar que por prazer, coleccionei os cromos de futebol do mundial de má memória México ’86 e idolatrava a colecção de cromos da “história do Oeste vista pela perspectiva dos índios”, que ainda hoje me recrimino por ter perdido ou deitado fora, não com a complacência da Dona Cesaltina, mas do senhor Zé Maria. E não me importo nada de também ser um “cerebral emotivo”, ou de também ter ouvido o “Loves Changes (Everything)”, dos Climie Fisher, o “I Should Have Known Better, do Jim Diamond, ou o “I Just Died in Your Arms Tonight”, dos Cutting Crew, nos gloriosos anos 80. É assim, sessenta e seis crónicas escritas na revista NS, suplemento do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias, entre Janeiro de 2006 a Abril de 2007, mais um prefácio de Miguel Esteves Cardoso, onde constata com a característica acutilância que “estas crónicas mostram que o tempo passa mas também mostram que é no passar que o tempo tem graça”. E disso também sabe o Nuno Markl e o Pedro Ribeiro, noutro registo bem diferente. E mais não será dito, por causa de inibidores elogios excessivos.

Etiquetas: