Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

30.1.11

Cinefilia: "Tudo Pode Dar Certo" (2009)

O físico quântico Boris Yelnikoff (Larry David), professor reformado da Universidade de Columbia, misantropo, hipocondríaco, divorciado e suicida falhado, acha-se acima dessa minudência que é a prática de sexo, o amor e o contacto com outras pessoas, além do seu grupo de intelectuais amigos Joe (Michael McKean), Leo (Conleth Hill), até encontrar a jovem e bela Melodie Saint Ann Celestinne (Evan Rachel Wood), ex-Miss, proveniente do Mississipi, à porta do seu apartamento cheia de fome. A inteligência de Melodie é tão subtil que consegue associar o Nobel da Física a uma das categorias dos Óscares de Hollywood. São estas duas personagens tão diferentes, quer em idade, quer em intelecto, que vão desenvolver uma forte relação que culminará em casamento. Com chegada da mãe de Melodie, Marietta Celestine (Patricia Clarkson), à história, depois de abandonada pelo marido que a traiu com a melhor amiga, Boris vai ter uma antagonista de peso e dá-se uma das maiores metamorfoses de personagem desta história, pois uma radical conservadora de extrema-direita e religiosa vai-se transformar numa promissora fotógrafa, artista extravagantemente hype, reconstruindo a sua vida emocional num impressionante ménage-à-trois com um dos amigos de Boris e o sócio deste. A segunda metamorfose da história acontece com a chegada do pai de Melodie, John Celestine (Ed Begley, Jr.), que também educado nos mesmos princípios tradicionais conservadores vai descobrir a sua tendência homossexual até então reprimida ao conhecer num bar um gay, Howard Kaminsky (Christopher Evan Welsh), desolado duma relação falhada. Tudo isto em hora e quarenta de Whatever Works / Tudo Pode Dar Certo (2009). Como é hábito, as personagens de Woody Allen são sempre muito ricas e densas, e as relações humanas tratadas de forma hilariante.

Etiquetas: