Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

3.2.11

Bibliofilia: "Bartleby" (1853)

Herman Melville, Bartleby, Assírio e Alvim, 2.ª ed., Fevereiro 2010 (pp. 93). Um advogado de negócios, que desde muito cedo esteve profundamente convencido que na vida o caminho mais fácil é sempre o melhor, contrata um escrivão muito peculiar, Bartleby, pura e simplesmente, recusa-se, duma forma assaz delicada, a trabalhar. A justificação repetida ad infinitum é a de “preferir não o fazer, senhor”. O advogado, e simultaneamente narrador da história, pensa que resolveria o problema de ter dois copistas a meio tempo, porque Turkey depois de almoço tornava-se inflamado, desastrado e perturbado, e Nippers irritava-se e ficava possesso e irado nas manhãs. “Os acessos rendiam-se um ao outro, como sentinelas” (p. 21). Bartleby torna-se um obstáculo tão grande que nem mesmo consegue ser despedido, optando o advogado por trocar de escritório abandonado-o lá dentro. Uma história simples e, ao mesmo tempo, deliciosamente hilariante num formato reduzido, como actualmente é raro observar.

Etiquetas: