Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

8.3.11

Ipsis dixit: Marcador de livros (7)


“(…) a inteligência era um índice do movimento do olhar. Se fizermos o cálculo (…) da velocidade dos olhos dirigindo-se às coisas para as perceber, velocidade média durante o ano, teremos o valor da inteligência dessa pessoa, e tal bastará para adquirirmos uma ideia bastante precisa acerca da produção intelectual desse indivíduo. O mais breve encontro entre dois seres que não se conheçam bastará – se existir uma observação atenta do olhar do outro – para se captar a aptidão intelectual de cada um, mesmo que um e outro não troquem palavra. O que cada um diz não é suficiente: pode ser apenas boa memória. (…) Se queres escolher um colaborador fecha os ouvidos e está atento aos olhos dele, à forma como eles se mexem: no fundo, ao modo como eles se atiram às coisas, como vêem um objecto e o rodeiam, como entram nele e depois saem ou ficam. O trajecto dos olhos no mundo dá o trajecto da inteligência.” (p. 195)

Gonçalo M. Tavares, Jerusalém, Caminho, 9.ª ed., Dezembro 2010, pp. 251

Etiquetas: