Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

13.6.11

Cinefilia: "Sacanas Sem Lei" (2009)

A pressão sentida no diálogo aterrorizante entre o coronel dos Serviços de Segurança das SS (la crème de la crème), Hans Landa (Christoph Waltz), e um atemorizado camponês francês, no início do filme, justifica inteiramente a atribuição do Óscar ao primeiro. Como não podia deixar de ser, todo o filme realça a linguagem pictórica de Tarantino, no choque, na surpresa, nos desfechos inesperados, nos constantes esguichos (termo que alguém muito bem utilizou) de sangue, nas semelhanças com o spaghetti western ou o duelo mexicano na cave da taberna onde se encontram com a agente dupla e actriz cinematográfica alemã Bridget von Hammersmark (Diana Kruger). Assim como se escreve literatura em livros com histórias (Roberto Bolaño, Knut Hamsun, etc…), também se fala de cinema em filmes de aventuras. A selecção de um grupo de proscritos (liderado por Aldo Raine / Brad Pitt), na Primavera de 1944 (Valquíria), para uma tentativa de assassinato da nomenklatura nazi não constitui novidade cinematográfica, ao contrário da originalidade de incendiar um cinema da França ocupada, aproveitando o nitrato das películas de filme de 35 mm, na estreia de um filme nazi com Hitler, Goebbels e Göring na mise-en-scène. Inglourious Basterds / Sacanas Sem Lei (2009), do realizador Quentin Tarantino, não será um filme inesquecível, mas também não se esquecerá facilmente.

Etiquetas: