Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

6.9.11

Momentum: "Carpe diem" (568)


O comportamento escatológico da Alemanha que nos financia dissecada por Michael Lewis na revista Vanity Fair (pp. 17). Um dos apodos preferidos de Hitler era Scheisskerl (“shithead”) e durante muitos anos manteve a obsessão de examinar as suas fezes, como também sexualmente gostava que as mulheres defecassem em cima dele. Um vício privado alemão: mantém-se limpo na forma (na aparência), mas bastante sujo no conteúdo. “Clean form and dirty content.” E que justifica a política alemã face à periferia da união monetária: “Germans longed to be near the shit, but not in it.” Mas também por que é que os alemães não abandonam o civil servant por um emprego na Goldman Sachs?: “Porque isso seria desleal!.” Ostensivo, explica porque é que os alemães financiaram o desvario do subprime norte-americano e a loucura dos bancos islandeses, mas não participaram no desmando de Bernard Madoff porque o sistema financeiro alemão não comporta judeus… “It was another case of clean on the outside, dirty on the inside. The German banks that wanted to get a little dirty needed to go abroad to do it.”

Etiquetas: