Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

23.3.12

Momentum: "Carpe diem" (684)


Curiosa a história do pós-impressionista Vincent van Gogh (1853 – 1890). Aos 37 anos ainda não tinha um único amigo, lacuna que anos mais tarde poderia ter muito bem sido superada pela abertura de uma conta no Facebook, daí a sua preferência, tal como eu (ao que leva a presunção, nesta subtil comparação entre mim e o autor de Noite Estrelada), por retratos, porque procurava companhia. Assim, os motivos para pintar retratos eram menos artísticos e muito mais emocionais. Acabou por ser ignorado e ridicularizado ao longo da sua vida, tendo para isso contribuído a sua personalidade desconfiada, conflituosa, com constantes acessos de raiva, ataques de epilepsia e muitas dificuldades de integração que o levaram a ser expulso da escola de artes. Tendo no irmão Theo o seu grande amparo. Além da sua obra mais conhecida como pintor, era também um ávido escritor de cartas e voraz leitor de Shakespeare, Zola, Charles Dickens e Walt Whitman. Tinha fortes discussões com o pai que o levaram a ser acusado pela família como tendo sido o causador da morte do progenitor, quando este sofre um AVC por causa da constante tensão. A mãe nunca o perdoou, mas ele retratou-a sempre nas suas pinturas com um sorriso. Veio a desenvolver uma forte amizade com Paul Gauguin, que o acompanhou na clínica Saint Paul, em Saint Rémy, onde passou um ano, a pagamento do irmão Theo, antes de se separarem após uma violenta discussão. Produziu uma obra vastíssima em nove curtos anos. Ficou também na história como tendo-se suicidado face ao seu carácter perturbado, mas ainda continua a fazer história quando agora surgem estudos e provas que aparentemente o dão como assassinado no campo depois de ter pintado Campo de Trigo com Corvos, em Auvers. Foi interpretado no cinema por Kirk Douglas (actor actualmente com 95 anos), em Lust for Life / A Vida Apaixonada de Van Gogh (1956), realizado por Vicent Minnelli. Como noutros casos, na loucura estava o génio.

Etiquetas: