Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

25.7.14

Bibliofilia: "Jogos de Poder" (2014)

[ 94 ] Paulo Pena, Jogos de Poder, Esfera dos Livros, Abril 2014 (pp. 222). Os efeitos da primeira década do séc. XXI ainda se fazem e farão sentir por muitos e bons anos. A 10 de Fevereiro de 2004 surgiu o movimento Compromisso Portugal, com uma primeira convenção, essencialmente para manter os centros de decisão das empresa em mãos nacionais num país pequeno com uma grande escassez de capital que era disfarçado em dívida. Com este movimento também brotaram vários nomes que se consolidaram na segunda convenção a 21 de Setembro de 2006. Entre estas datas, Paulo Teixeira Pinto é anunciado como sucessor de Jardim Gonçalves a 25 de Janeiro de 2005 e toma posse a 14 de Março de 2005. Dois dias antes da tomada de posse do primeiro governo de José Sócrates, a 12 de Março de 2005. A 6 de Fevereiro de 2006, a Sonae lança uma OPA hostil sobre a PT cujo o mérito de fomentar a concorrência com a separação do cabo (PTM) teve consequências desastrosas no preço a pagar para abortar a operação. A Telefónica ficaria com a Vivo no Brasil e a PT submetida ao enorme esforço de aumentar generosamente a política de dividendos para manter a coesão accionista. Durante treze meses ardeu em lume brando. Culminou com o falhanço da OPA a 2 de Março de 2007. No mesmo ano em que se intensificou a guerra pelo poder no Millenniumbcp depois do falhanço também da OPA hostil sobre o BPI de 13 de Março de 2006 que culminou a 7 de Maio de 2006. A ambição de querer fazer crescer rapidamente um país pequeno para uma dimensão internacional à semelhança de uma Suiça ou de um Luxemburgo tem tido custos incomensuráveis. E o endividamente externo tem sofrido disso. Motivado por empresas de bens não transaccionáveis.

Etiquetas: