Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

28.10.14

Bibliofilia: "Moderato Cantabile" (1958)

[ 103 ] Marguerite Duras, Moderato Cantabile (1958), Relógio D’Água, Maio de 2014 (pp. 81). Nas tardes de sexta-feira, Anne Desbaresdes leva o seu filho de dez anos às aulas de música de Mademoiselle Giraud, quando ouve um enorme grito feminino e posteriormente toma conhecimento de tratar-se de um assassínio passional cometido no café das redondezas. A partir desse episódio, e a pretexto duma investigação a título pessoal, procurará inteirar-se do que o poderá ter motivado através de encontros, que deixam de ser casuais, com um trabalhador desconhecido dos estaleiros da região no mesmo café da tragédia, expondo-se aos olhares fortuitos de quem passa e à recriminação da proprietária do café. A história aborda essencialmente o adultério de forma sugestiva. Tem vinho, amor, mar e música. E revela que a sugestão é muito mais apelativa que a revelação. Bela homenagem esta reedição duma obra tão monumental no centenário do aniversário da autora.

Etiquetas: