Quem Ousa, Vence!

"Como se se pudesse matar o tempo sem lesar a eternidade" Henry Thoreau (1817 - 1862) Ano XI

28.12.14

Bibliofilia: "Carta ao Pai" (1919)

[ 106 ] Franz Kafka, Carta ao Pai (1919), Relógio D'Água, Março 2004 (pp. 75). Prova que é possível fazer uma obra-prima em poucas páginas. Consta que esta carta nunca chegou a ser enviada, mas nela Kafka aborda intimamente a relação difícil que tinha com o pai e a influência deste em toda a sua vida. Na aprovação ou reprovação que lhe mereceram as sua escolhas. Na comparação do tratamento que o pai dispensava aos restantes familiares. O pai era um comerciante severo que não valorizava a sua dedicação à escrita ou o seu emprego administrativo na companhia de seguros, nunca desperdiçando uma oportunidade para censurá-lo ou menorizá-lo. O que torna absolutamente fantástica esta obra, como em muitas de Kafka, intérprete do autoritarismo absurdo, é que é absolutamente intemporal. Como cultor do registo diarístico, consegue sempre aprofundar com grande interesse os temas íntimos e emotivos.

Etiquetas: